terça-feira, 6 de novembro de 2007

VIVÊNCIAS UTILIZANDO MÍDIAS


Atualmente, trabalho numa Coordenadoria de Educação, e não em sala de aula, mas quando estava à frente de uma classe, tive oportunidade de utilizar o que me era oferecido dentro dos “recursos tecnológicos” a fim de ministrar melhores aulas e chamar a atenção dos alunos para determinados tipos de conteúdos. Sou professor de Português e sempre achei que a nossa língua e nossa gramática são disciplinas difíceis de serem ministradas devido à sua fórmula um tanto quanto estanque. Mesmo assim, pude me utilizar de alguns recursos diferenciados tais como fitas de vídeo VHS apresentando filmes que serviriam para debates e/ou trabalhos posteriores.
Além disso, sempre que possível, levava-se os alunos ao cinema, a fim de verem algum lançamento que pudesse ser utilizado como base para o desenvolvimento de temas do currículo ou que levassem a outros temas ligados à disciplina. E assim, fez-se muitos trabalho de pesquisa, redações e outros, no sentido de elucidar aspectos ligados à cultura geral e aos fatos que ocorrem no nosso dia-a-dia.
Outra mídia bastante utilizada era o CD, pois a música também faz com que as aulas sejam mais “interessantes”, principalmente porque se pode fazer ótimos trabalhos analisando as letras das músicas. Ou até mesmo fazer com que o aluno componha suas próprias letras e músicas.
Aliás, nesse momento, ocorre um espelhamento do que é passado para eles (alunos) no dia-a-dia, pois o tipo de ritmo ou sucesso da época é bastante usado como base para que sejam criadas novas músicas. O que acontecia muito em meu caso com o estouro do RAP. Por ser um ritmo fácil e de letras com rimas rápidas, acontecia que quase todas as músicas criadas eram nesse ritmo. Sem falar que as letras são bem contestatórias e de cunho político-social, o que torna ainda mais fácil de compor, visto que a letra reflete aspectos do cotidiano das pessoas.
Também houve o estímulo a pesquisas na internet, que eram orientadas para não fugirem ao tema proposto. Na época, há 4 anos atrás, o uso da rede era bem menor pois nem todos os alunos tinham acesso à internet ou ao computador e a escola onde eu trabalhava não possuía laboratório de informática. Mas uma das coisas que me fez “correr atrás” deste estímulo ao aluno, foi justamente criar uma home page para a escola, a qual mantive durante um ano e que era atualizada com contribuições das mais diversas dos alunos. Isso fazia com que eles pesquisassem mais e entrassem na página também para deixarem seus recados.
Desta forma, até mesmo quem não tinha acesso à internet ia à casa de colegas ao menos para “assinar o livro de visitas” da página e deixar o seu recado, elogios, sugestões, etc.
Hoje em dia se tornou ainda mais fácil o trabalho, visto que o acesso à informática é bem mais difundido e existem uma série de novas “ferramentas” que podem ser utilizadas, como Blogs, Podcasts, Fotologs, etc. sem falar na ampla divulgação de músicas em MP3 e em sites direcionados ao vídeo, como o “You Tube”.

domingo, 4 de novembro de 2007

PRÁTICA DO MULTIPLICADOR COMO GESTOR




Na função de Gestor, o Multiplicador de Mídias e Tecnologias deverá observar muitos aspectos, que facilitem seu trabalho e oportunizem-lhe chegar a um resultado eficaz.
Podemos observar Moran, quando diz que as condições atuais de gerenciamento de um ambiente escolar são bastante difíceis e que deve haver mais incentivo do Gestor e/ou Diretor, para que haja apoio de outras empresas da comunidade, com o intuito de gerar subsídios para sua melhor gestão dentro da escola. Desde contatos diretos com estas pequenas empresas, até festas envolvendo as Associações de pais e Mestres, tudo serve de incentivo e fonte de captação de recursos que serão utilizados em diversas áreas da escola, inclusive a que aqui é objeto de apreciação, que é a área tecnológica.
A inda segundo Moran, o conceito de tecnologia vai mais além do que simplesmente as mídias, maquinário, informática, internet, etc. Tudo pode ser considerado como tecnologia, quando diz respeito aos meios, instrumentos de apoio e ferramentas pedagógicas utilizadas no processo de ensino-aprendizagem. Desde o quadro-negro, giz, passando pela disposição das classes e demais instrumentos dos quais o professor se utiliza naquele processo, pode ser considerado como tecnologias a serviço da aprendizagem. Seja um jornal, revista ou livro, tudo é passível de ser visto como tal instrumento tecnológico que serve de apoio no momento da troca de conhecimentos professor-aluno. O que dá ao professor, ao multiplicador, ao gestor alcançar a plenitude de sua tarefa, é justamente o saber utilizar-se eficazmente desses instrumentos tecnológicos.
As tecnologias propriamente ditas, hoje em dia, limitam-se à internet e ao computador, mas este último também pode ser utilizado de formas diferentes dentro de um ambiente escolar, facilitando, dessa forma, o trabalho do gestor-multiplicador.
Primeiramente, pode-se utilizar o computador administrativamente, isto é, empregando seus muitos recursos em atividades como folha de pagamento de professores e funcionários e usando softwares específicos que agregam praticamente todo o ambiente escolar, uma vez que são capazes de reunir numa só plataforma informações de um banco de dados que as cruza evitando ou minimizando a necessidade da utilização de papéis (temos como exemplo aqui no Sul, os softwares “Urânia” e “Procergs Escola” – utilizados em diversas escolas). Esses programas são capazes de, através de bancos de dados e de informações colocadas em uma intranet, minimizar muito os problemas com o excesso de papéis, produzindo comprovantes de inscrições de alunos, matrículas, certificados, cadastros de alunos, professores e funcionários, etc. Tudo isso de forma on-line ou não, tornando desnecessária, muitas vezes, até mesmo a emissão de papéis comprobatórios.
No campo pedagógico, o computador pode ser utilizado também de diversas formas, visto que serve de “ponte” entre alunos, professores, funcionários e comunidade em geral. As grandes escolas já são praticamente portais da educação, trazendo em seus sites informações diversas, a fim de facilitar os processos educativos e prestando serviços aos interessados e/ou participantes da comunidade. Os sites dessas escolas podem fornecer listas de discussão, fóruns e chats para que os interessados se comuniquem ou tirem suas dúvidas nas mais diversas áreas. Além disso, os professores, alunos, funcionários e membros da comunidade podem se comunicar e terem ao seu dispor serviços diretos que antes só eram fornecidos na secretaria ou no ambiente escolar.
Tudo isso visa a facilitação da Gestão escolar.
Outras formas de incentivar o uso das tecnologias pelos professores é promover apoio às atividades das mais variadas disciplinas (o que é a principal função do multiplicador) a fim de capacitar os professores a utilizarem-se desse instrumento em seu dia-a-dia na escola.
Deve-se primar pelo acesso às tecnologias para que esses participantes no processo ensino-aprendizado (alunos, professores, funcionários e comunidade) possam estar interligados e conectados ao mundo, à educação. Para tanto, o Gestor tem que estar de posse do domínio técnico, pedagógico e gerencial dessas tecnologias e, principalmente traçar suas metas e saber utilizar-se das mídias. Perder o “medo” do computador. Criar novas utilização e soluções inovadoras, tais como as que vemos por aí. Assim, podemos citar: acesso dos alunos através de cartão magnético, através da impressão digital, através da leitura da íris, etc. enfim, a função do gestor-multiplicador é capacitar, mas também ele estar atento ao que acontece em termos de tecnologia, e seu uso nos mais diversos ambientes escolares.

Uso de vídeo/DVD em sala de aula

Em termos de uso de recursos múltimídia, como TV, Vídeo ou DVD, podemos considerar que o suporte visual proporcionado pela tela da TV, veiculando imagens de programas, filmes séries, etc. através de vídeo ou DVD, é essencial como proposta pedagógica, no sentido de ilustrar e enriquecer as aulas. Mas também é altamente motivador, para o aluno, que vê nessas possibilidades uma espécie de “fuga” dos modelos de aulas enfadonhas de “quadro-negro, explicações e anotações”, e também para o professor, que se utiliza de mais subsídios para sedimentar suas aulas e fazer delas momentos interessantes de ensino-aprendizagem.

sábado, 3 de novembro de 2007

Abertura

Saudações a todos os visitantes.
Este Blog faz parte do PROJETO PEDAGÓGICO UTILIZANDO AMBIENTES INTERATIVOS VIRTUAIS do Curso de Especialização em Tecnologias da Educação.
Aqui serão divulgados alguns textos e artigos deste curso, bem como algumas das atividades elaboradas durante o mesmo.
Estarei sempre pronto a comentar qualquer postagem e desde já agradecido pelos comentários e participações de todos.
Obrigado!